Foi ainda nos anos 80, quando meu pai nos levou para uma viagem até a Argentina em um Opala Branco com cambio na direção. Fomos em 6 pessoas, eu, meus dois irmãos e minha irmã, além dele e minha mãe. Saímos de São Carlos e fomos até a cidade de Corrientes, na Argentina, num total de quase de 4000Km. A digressão foi ideia de meu pai e o objetivo era visitar as antigas ruínas das Missões Jesuítas.

Difícil esquecer todas aquelas paisagens na estrada, o gosto de vinagre de vinho do restaurante sulista, o espetáculo de som e luz que contava a estória dos missionários Europeus, as primeiras palavras do castelhano, a louca passagem pelo Paraguai em busca de um dos mais modernos equipamentos da época: um "mouse" para o recém comprado computador e muitas outras incríveis memórias, que ainda vivem comigo quase toda vez que me vejo novamente na estrada.

Uma dessas memórias, talvez a mais importante, é uma fita cassete BASF, gravada pelo meu pai especialmente para viagem. O Opala Branco tinha um tocador de fitas com um incrível som montado pelo meu irmão mais velho, bastante potente e com grande nitidez. A fita cassete intitulada R-1, alusão ao nome de meu pai, Ricardo, continha a gravação do disco PASSAGE (LP) do violonista e carpinteiro William Ackerman. Eu não sabia quem era esse sujeito na época, mas sei que sua música construiu uma memória afetiva bastante grande em toda a nossa família, com certeza indissociáveis das paisagens e sensações que aquela viajem nos proporcionou. Anos mais tarde, me depararei novamente com este disco, reouvi-o e constatei que ele era parte de um catálogo muito maior e a Windham Hill Records passou a ser um de meus selos preferidos de musica instrumental.

Encontrei mais de 40 Lps desta gravadora e continuo a buscá-los sempre que posso, artistas como Scott Cossu, Mark Isham, David Qualey, George Winston e tanto outros, além de incríveis compilações sazonais. A mistura entre música instrumental, new age, jazz e eletrônico se apresentam sempre de maneira bem elegante e de muito bom gosto. As capas quase sempre brancas, com uma foto central, não são difíceis de serem reconhecidas em pilhas de discos de novela e trazem sempre boa inspiração para os olhos, enquanto se ouve os discos.

Cheguei a ver alguns desses nomes em telas de cinema, acompanhando créditos de trilhas sonoras e alguns artistas acompanho até hoje. O selo, que começou como um sub-selo da Sony, acabou vendido e atualmente, já fora de atividade, ganha algumas edições pela Legacy Recordings, também subsidiária da Sony.

Mesmo tendo ouvido muito todos esses Lps e pesquisado outros tantos na internet, ainda tenho o William Ackerman - Passage (WHSD-C 1014) como um de meus discos preferidos. A sutileza e as inspiradas melodias podem me transportar facilmente e sempre acabam me trazendo grande paz de espírito e aquela esperança para seguir os dias da minha vida.

Ouça o disco completo aqui!


Marky Wildstone

Share